Uldurico Junior “de casa nova” persegue a reeleição

Uldurico Junior, fruto de uma família de políticos, trocou de partido em “busca “novos horizontes em sua vida política”, pela terceira vez desde que se elegeu deputado federal. A mudança, com vistas à campanha pela reeleição, aconteceu na última sexa-feira, 6, e desta vez foi para o Partido Pátria Livre (PPL). Na saída, ele agradeceu a acolhida que recebeu do Partido Verde (PV), sigla em que ocupava o posto de presidente estadual do partido, assim como será no PPL. Quando se elegeu, o filho e neto de políticos, estava no Partido Trabalhista Cristão (PTC). Em tom diplomático, Uldurico prometeu continuar lutando pelos ideais ambientais e de sustentabilidade, bandeiras defendidas pelo PV.

Com  destino traçado

Para entender melhor a importância dessa vitória, vamos voltar no tempo e saber como tudo começou: a vitória de um desconhecido e mais jovem deputado eleito à Câmara Federal foi pauta da grande Imprensa do país, ávida em saber quem era esse fenômeno. Além da idade (22 anos), o nome (Uldurico) e o sonho de um dia chegar a ser Presidente da República chamou a atenção dos jornalistas.

Ele deu continuidade à saga de duas famílias políticas – Pinto e Alencar. Repetiu a história do seu tio Heitor Alencar Furtado, também eleito deputado federal com 22 anos. Já o nome vem da linhagem paterna, avô e pai. “Esse nome é uma marca. Na época o Brasil conhecia Odorico Paraguaçu, personagem da novela “Bem Amado”, lembra o experiente publicitário Edson Barbosa, responsável pelo vídeo de lançamento da campanha do jovem e também desconhecido deputado do extremo sul da Bahia em 1986: Uldurico Pinto.

Galeria de fotos

 

Eleito deputado constituinte, Uldurico pai, votou contra a pena de morte, o presidencialismo, o mandato de cinco anos para o presidente José Sarney. Votou a favor do rompimento de relações diplomáticas com países com política de discriminação racial, da jornada semanal de 40 horas, do turno ininterrupto de seis horas, do aviso prévio proporcional, do voto aos 16 anos e da anistia aos micro e pequenos empresários, entre outros desafios. E em 1992, já na segunda legislatura, votou a favor do impeachment do então presidente Collor.

Pelo lado materno (Dionee Cavalcante Furtado Pinto), a saga de Uldurico Jr vem de longe: do Ceará ao Paraná.  Começou com o cearense de Araripe, José Alencar Furtado, avô materno. Advogado em 1950 na Faculdade de Direito do Ceará, em Fortaleza, onde conheceu e casou com a colega de turma Míriam Cavalcanti Alencar. O casal transferiu residência para o município de Paranavaí, no norte do Paraná.

Em novembro de 1966, Alencar Furtado, conseguiu se eleger à Assembleia Legislativa paranaense e em 1970, deputado federal. No início dessa legislatura, em janeiro de 71, ao lado de deputados mais combativos, fundou o grupo dos “autênticos” do MDB, ala mais à esquerda da bancada oposicionista.

Em 30 de junho de 1977, no governo Geisel, teve seu mandato cassado e seus direitos políticos suspensos por dez anos em consequência do pronunciamento feito três dias antes, em programa de rádio e televisão do MDB, onde rendeu homenagem a parlamentares cassados, presos e exilados.

Após sua saída forçada da vida política, retomou a carreira de advogado. Durante o ano de 1978, empenhou-se na campanha de seu filho, Heitor Alencar Furtado, que, em novembro, foi eleito deputado federal pelo Paraná, com a mesma idade do sobrinho Uldurico Junior.

Em 1982, já no PMDB, foi eleito novamente deputado federal.

Durante a campanha eleitoral, seu filho Heitor — deputado federal pelo Paraná de 1979 a 1982, e que concorria a uma vaga na Assembleia Legislativa paranaense —, foi assassinado a tiros por um policial no dia 22 de outubro de 1982, com apenas 26 anos de idade.

Mantendo a posição firme dos Pinto e Alencar Furtado na defesa dos interesses do povo brasileiro, Uldurico Jr votou a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, por acreditar que naquele momento o país precisava buscar um novo rumo, mas votou duas vezes a favor da abertura do inquérito para apurar denúncias contra o atual presidente Temer, mostrando a independência do seu voto.

Na Câmara Federal, o deputado Uldurico Jr carrega a grande responsabilidade de representar os mandatos do seu pai Uldurico Pinto, do avô Alencar Furtado, dos tios Heitor Furtado e Francistônio Pinto e do primo Ubaldino Jr.

Comentários

Ir ao topo da página