Deu Coronel na chapa de Rui. Otto ganhou, Lídice perdeu

Rui e seu candidato Coronel. (Foto divulgação)

Nem nas redes sociais, como se chegou a cogitar, nem entrevista coletiva. Rui Costa preferiu a assessoria de imprensa para oficializar o que todos já sabiam. A chapa com a qual irá às urnas terá ele na cabeça, João Leão como vice, e Jaques Wagner e Angelo Coronel ao Senado.
A senadora Lídice da Mata também já sabia. Tanto que nem ela e nem ninguém do PSB foi ontem à reunião do Conselho Político, que durou toda a tarde, em Ondina, quando Rui confirmou Coronel.
Em suma, prevaleceu a força do senador Otto Alencar, sintetizou o experiente jornalista político baiano, Levi Vasconcelos, em seu blog no bahia.ba
Pré-campanha
No encontro de ontem, ficou bastante claro que 2018 será diferente de todas as eleições anteriores, a começar pelo dinheiro curto. A estratégia para inaugurar os tempos de vacas magras é fazer campanha sempre em conjunto.
Aliás, antes do início da campanha, o quarteto governamental da chapa vai percorrer os principais polos regionais da Bahia para discutir orçamento participativo. É uma pré-campanha, embora digam que não.
Lídice na Câmara?
Lídice da Mata esperou até Rui Costa anunciar que ela estava fora da chapa sem admitir, publicamente, outra alternativa eleitoral senão o Senado. E depois, esperneou, dizendo que Rui cometeu um erro. Mas domingo, antes de reunir o partido para discutir o destino, ela já pedia votos a aliados do PSB do interior para deputada federal.
Nesse caso, o PSB entraria no chapão governista com três candidatos a federal fortes, Lídice, Marcelo Nilo e Bebeto Galvão (talvez).
Na chapa de Rui, ficou em aberto a suplência ao Senado de Wagner. Vai esperar para ver se o PSB quer.
Em Cachoeira
Lídice foi ontem a Cachoeira, onde o governo baiano é instalado sempre no dia seguinte ao São João, em homenagem a heroica iniciativa da cidade em favor da independência do Brasil.
Jaques Wagner, que instituiu a data, sempre foi lá. Rui Costa nunca foi.
Ontem, houve quem lembrasse que Wagner baixou o decreto por iniciativa de Lídice, que é cachoeirana. Ou seja, até na parte solene ele também está sobrando.

Comentários

Apaga-se uma luz da dignidade: morre Waldir Pires

O ex-governador da Bahia, Waldir Pires, morreu na manhã desta sexta-feira (22), no Hospital da Bahia em Salvador, após parada cardiorrespiratória. Pires tinha 91 anos.
O político, que era filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT), deu entrada na unidade na noite quinta-feira (21), com quadro de pneumonia. Conforme a assessoria do hospital, ele não respondeu às manobras de reanimação e veio a óbito.
Baiano, Waldir Pires nasceu na cidade de Acajutiba. Ele era formado em Direito e liderou o Movimento Antinazista.
Além de governador (1987-1989), Pires foi ministro da Previdência Social (1985-1986), deputado federal (1990-1994/1999-2003) e vereador (2013-2016).
No ano de 2008, Pires foi condecorado com o título de Cidadão Benemérito da Liberdade e da Justiça Social João Mangabeira, que é concedido a brasileiros dedicados às causas nobres, humanas e sociais.
A biografia do político, escrita por Emiliano José, foi lançada no dia 14 de junho, em Salvador. (Informações G1 e agências).

Comentários

Em nota, PSB pede ‘Justiça e lógica’ a Rui Costa

Em comunicado à Imprensa, intitulada “Questão de justiça e lógica”, a Executiva Estadual do PSB bateu pé firme e defendeu a candidatura de Lídice da Mata ao Senado na chapa majoritária do governador Rui Costa (PT), que tentará reeleição.
O partido diz que, através do diretório municipal e da executiva estadual, se reuniu com a militância e com deputados na quarta (6) e quinta-feira (7), para reafirmar o apoio ao petista, ao ex-governador Jaques Wagner, já confirmado para disputar a vaga ao Senado, e a Lídice.
Na nota o PSB diz que “a reafirmação dá-se em função do amplo apoio que a candidatura à reeleição da senadora Lídice da Mata vem recebendo de setores da sociedade, entre os quais se destacam lideranças das universidades, da cultura, dos movimentos sociais, dos militantes e lideranças dos movimentos negros, centrais sindicais, movimento de mulheres e LGBT, de profissionais liberais, movimentos populares ligados às associações de bairros, parlamentares de diversos partidos, além, é claro, do expressivo apoio de nomes como a senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, dos senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Roberto Requião (MDB-PR), Humberto Costa (PT-PE), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) e João Capiberibe (PSB-AP), dentre outros”.
O comunicado destaca ainda a pesquisa em que a senadora pontuou com 26%. “Em função disso, o PSB reafirma sua convicção na justeza e na lógica eleitoral da presença da senadora Lídice da Mata, como representatividade das mulheres e força política eleitoral na chapa majoritária capitaneada pelo governador Rui Costa”, afirma.
A nota é divulgada pelo PSB depois de críticas públicas feitas por lideranças, como o secretário geral do PSB baiano, Domingos Leonelli, e o ex-secretário do governo petista Vivaldo Mendonça.
Rui Costa, em conversa com a imprensa, na quinta-feira-feira (07/06), disse recebia com naturalidade as opiniões do partido: “Faz parte da disputa política”. Já Lídice disse que conversará sobre chapa quando o governador achar “conveniente”. (Com informações do bahia.ba

Comentários

Geddel não aceita perícia nos seus remédios

O ex-ministro Geddel Vieira Lima recusou-se a atender a uma determinação da Justiça Federal, que ordenou uma vigilância em sua cela, no Complexo da Papuda, após ser verificado um excesso de remédios no local, em abril deste ano.
Segundo o portal G1, na última terça-feira (05/06), a juíza Leila Cury mandou apurar “situação fática envolvendo o preso provisório Geddel Quadros Vieira Lima, o qual teria ingerido vários medicamentos e, por isso, estaria se portando de maneira estranha”.
De acordo com a magistrada, a vigilância da prisão encontrou na cela do ex-ministro diversos medicamentos, como Nexium 40mg (65 comprimidos); Diazepam 5mg (8 comprimidos); Valium 10mg (4 comprimidos); Hermitartarato de Zolpidem 10 mg (2 comprimidos); Lexapro 10 mg (46 comprimidos); Lexapro 20mg (18 comprimidos); Cewin 500mg (13 comprimidos); Oxalato de escitalopram 20mg (29 comprimidos); Carbamazepina 200mg (10 comprimidos); Tylenol (04 comprimidos); Iboprufeno (07 comprimidos); 01 pomada Trafic e 01 receituário médico.
A juíza determinou, então, instauração de “procedimento destinado a apurar as circunstâncias em que os medicamentos chegaram às mãos do encarcerado”, além do encaminhamento de Geddel ao IML para exame pericial.
O emedebista, porém, recusou-se a ser submetido a perícia, por “determinação” de seu advogado.

Comentários

Wagner : "plano B de Lula", nunca; o Senado é logo ali

Jaques Wagner quer o Senado. (foto Joedson Alves- AE)

Apontado como “plano B” do PT caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, tenha a candidatura impedida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ex-governador da Bahia e ex-ministro Jaques Wagner se prepara para disputar uma vaga no Senado nas eleições de outubro. O nome da chapa à reeleição do atual governador baiano, Rui Costa (PT), afilhado político de Wagner, para a segunda vaga de senador, entretanto, não está definido.
Disputam a indicação a senadora Lídice da Mata (PSB) e o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Ângelo Coronel (PSD), indicado do senador Otto Alencar (PSD).
A disputa pela segunda vaga tem sido tratada com cuidado no governo para evitar defecções na base aliada. Rui terá de avaliar se privilegia, de um lado, o PSB baiano, histórico aliado dos petistas na Bahia, ou a musculatura política de um PSD que administra 82 prefeituras, o Legislativo Estadual e a União dos Prefeitos da Bahia (UPB). Pesquisas de consumo interno apontam que Wagner lidera as intenções de voto, com Lídice em segundo lugar.
“A decisão do governador não será de escolher alguém. Será entre me excluir ou me manter na chapa, pois eu já sou senadora, e é natural que eu dispute a reeleição”, afirmou Lídice, que cobra a fatura pela posição contrária ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

“Eu e o senador João Capiberibe fomos quem mantivemos o discurso contra o golpe mesmo correndo o risco de ficarmos inviabilizados no partido”, disse a senadora, que tem o apoio declarado da presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmman. Segundo a senadora, o PSB colocou Bahia e Amapá como suas prioridades para alianças estaduais com o PT.
“Se ela (Lídice) não for (escolhida), provavelmente será candidata a deputada federal. É o mais natural, porque ela continuaria na cena nacional. Essa é a tendência natural, mas não é o perfil do PSB e da Lídice fazer trocas”, afirmou o ex-governador e ex-ministro da Casa Civil Jaques Wagner, um dos principais articuladores políticos do sucessor.
O critério decisivo para escolha, segundo Wagner, será a vontade do capitão do time, Rui Costa. A decisão, na avaliação de políticos e analistas ouvidos pela reportagem, também sinalizará uma tendência política para o quarto governo petista na Bahia. “Acredito que vá prevalecer a unidade do grupo”, disse Wagner.
O ex-governador afirmou que acha provável a manutenção da tradição baiana nas eleições majoritárias de eleger dois candidatos a senador do mesmo espectro político. “Eu não acho que a chapa de lá (da oposição) tenha uma embocadura boa”, afirmou.
Já o cientista político Paulo Fábio Dantas, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), acredita que haverá um privilégio aos aliados de centro-direita da base. “O quadro baiano resulta do êxito da articulação política que o governo teve até aqui, de manter um conjunto de forças que nacionalmente são oposição ao petismo. Isso significa que, para se fortalecer, o governo teve e ainda terá de secundarizar o PT e os aliados mais à esquerda”, afirmou.
Voto evangélico
No campo da oposição, a candidatura do deputado federal Jutahy Magalhães Júnior (PSDB) ao Senado é tida como certa após oito mandatos consecutivos dele na Câmara Federal. A segunda vaga na chapa majoritária é disputada, atualmente, por duas representações negras e do voto evangélico.
De um lado, está a vereadora de Salvador Ireuda Silva (PRB), ligada à Igreja Universal do Reino de Deus. Do outro, disputa a vaga o deputado federal Irmão Lázaro (PSC), considerado “fenômeno” nas redes sociais, eleito há quatro anos para a Câmara Federal com mais de 161 mil votos. A escolha de um dos nomes, que começa a criar ruído no grupo opositor, tem o objetivo de aumentar a capilaridade do pré-candidato ao governo José Ronaldo (DEM) nesses dois segmentos: igrejas evangélicas e negros.
Sem grande projeção em nível estadual, apesar de ter sido prefeito da segunda maior cidade da Bahia, Feira de Santana, Ronaldo busca presença em setores populares. Ele evita comentar o assunto, contudo, para não desagradar os partidos aliados. “Nós ainda estamos conversando com os partidos, não há nenhuma definição”, afirmou.
(Conteúdo Estadão – texto Yuri Silva)

Comentários

ACM Neto entra em campo
e grava apoio a Zé Ronaldo

Após a divulgação do levantamento do Instituto Paraná Pesquisas, que apontou que quase metade dos eleitores ouvidos (49,7%) nem sabem quem será apoiado por Neto na disputa, o prefeito ACM Neto gravou um vídeo em apoio ao pré-candidato a governo da Bahia, José Ronaldo (DEM), ex-prefeito de Feira de Santana, no Centro Norte baiano.
Apenas 17,1% dos entrevistados admitem saber que o prefeito de Salvador está do lado de José Ronaldo, que aparece em segundo lugar nas pesquisas com cerca de 10%. O atual cenário indica uma ampla vantagem do governador Rui Costa e indica uma vitória ainda no primeiro turno.
No vídeo publicado na manhã desta segunda-feira (4), o democrata esclareceu e rasgou elogios ao colega de partido:
“Esse ano vai ser muito importante para o futuro da Bahia e dos baianos. E é exatamente por isso que o meu partido escolheu José Ronaldo como o nosso pré-candidato a governador. Zé Ronaldo não deixou por menos e retribuiu: “Neto é um político experimentado, gestor extremamente competente. Melhor prefeito de capital do Brasil”. (Com informações do bahia.ba)

Comentários

Rui já tem os nomes da chapa na cabeça

Rui já conversou com todos os partidos da base, inclusive o PSB de Lídice

O governador Rui Costa (PT) já tomou a decisão sobre quem concorrerá ao seu lado nas eleições de outubro, na campanha à reeleição, e pode divulgar “a chapa completa, com suplente e tudo” a qualquer momento. Quem garante é o portal bahia.ba, em matéria publicada na manhã desta segunda-feira (04/06).
Segundo os jornalistas Matheus Morais e Luís Felipe Veloso, o chefe do Palácio de Ondina, em entrevista nesta segunda-feira (04), afirmou que já conversou “com todo mundo, inclusive com [a senadora] Lídice [da Mata]”, mas não deu pistas se a chefe do PSB baiano ficou satisfeita com a decisão.
Rui também afirmou que já pediu a cada partido um nome para representar as siglas que compõem a base dele nas reuniões de construção do plano de governo.
“Durante o mês de julho a gente vai preparar o programa de governo. A gente vai fazer vários seminários de vários segmentos e ouvir propostas”, concluiu o petista.

Comentários

Sem Lula, Bolsonaro lidera eleições na Bahia

Acompanhando os cenários de todo país, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fora da disputa pelo Palácio do Planalto, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) está na frente da corrida eleitoral, com 19,6% das intenções de votos, segundo levantamento do Instituto Paraná Pesquisa, divulgado nesta quarta-feira (30).
Ainda de acordo com os dados, a ex-ministra Marina Silva (Rede) aparece em segundo lugar com 18%, logo em seguida vem Ciro Gomes (PDT), com 13,5%. Confira:
Cenário 1
Jair Bolsonaro – 19,6%
Marina Silva – 18%
Ciro Gomes – 13,5%
Geraldo Alckmin – 5%
Álvaro Dias – 4,9%
Fernando Haddad – 1,9%
Flávio Rocha – 1,6%
Manuela D’Ávila – 1,4%
Rodrigo Maia – 1,4%
Henrique Meirelles – 1,2%
João Amoêdo – 1%
Levy Fidelix – 0,7%
Nenhum – 23,1%
Não sabe – 6,8%
No segundo cenário, já com o ex-presidente Lula, o petista tem 43,4% das intenções de votos. Bolsonaro cai para segundo lugar com 16,8%, e Marina aparece na sequência, com 8,3%.
Cenário 2
Lula – 43,4%
Jair Bolsonaro – 16,8%
Marina Silva – 8,3%
Ciro Gomes – 7,1%
Álvaro Dias – 3,8%
Geraldo Alckmin – 3,2%
Flávio Rocha – 1,3%
Henrique Meirelles – 0,8%
Manuela D’Ávila – 0,6%
Levy Fidelix – 0,5%
Rodrigo Maia – 0,5%
João Amoêdo – 0,4%
Nenhum – 3,6%
Não sabe – 9,5%
No terceiro cenário, sem candidato do PT, Jair Bolsonaro volta para a ponta. Já a diferença entre Ciro Gomes e Marina Silva aumenta.
Cenário 3
Jair Bolsonaro – 19,7%
Marina Silva – 18,6%
Ciro Gomes – 13,8%
Álvaro Dias – 5,2%
Geraldo Alckmin – 5%
Flávio Rocha – 1,8%
Henrique Meirelles – 1,2%
Manuela D’Ávila – 1,4%
Levy Fidelix – 0,8%
Rodrigo Maia – 1,4%
João Amoêdo – 1%
Nenhum – 23,2%
Não sabe – 6,9%
A pesquisa foi realizada entre os dias 23 e 28 de maio e ouviu 1.540 eleitores. A margem de erro é de 2,5% para mais ou para menos. O índice de confiança é de 95%. (Conteúdo bahia.ba)

Comentários

Mesmo com 56,1% de indefinidos, Rui lidera. Veja os cenários

Mesmo no cenário de pesquisa espontânea, onde 56,1% dos eleitores disseram não saber ainda em quem votar, o governador Rui Costa (PT) lidera a disputa na Bahia em 2018. O levantamento foi realizado entre os dias 24 e 30 de abril, logo após a desistência do prefeito de Salvador ACM Neto de concorrer ao Governo do Estado.

No primeiro questionamento, quando o entrevistador não apresentou nenhum nome aos 1.120 eleitores que participaram da pesquisa, o petista foi mencionado por 19%, quase seis vezes mais do que o segundo maior percentual dessa questão, ACM Neto.
O outro nome com percentual expressivo é o do ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo, avaliado como principal nome das oposições para participar da disputa eleitoral de 2018. O democrata apareceu como opção para 1,4% dos eleitores.

O desencanto com a política foi observado nesse cenário: 19,1% afirmaram que não votariam em ninguém. Como espaço para crescimento dos candidatos, todavia, 56,1% dos eleitores disseram não saber ainda em quem votar.

O primeiro cenário estimulado trouxe os nomes de Rui Costa, José Ronaldo, Lídice da Mata, João Henrique (PRTB), Marcos Mendes (PSOL) e João Gualberto. O governador também seria reeleito, de acordo com a pesquisa, por 47,9% dos entrevistados. Em segundo lugar, aparece o ex-prefeito de Feira de Santana, com 6,5% – a pesquisa foi realizada antes do anúncio de que DEM e PSDB marchariam unidos no pleito de outubro.
Já a senadora Lídice da Mata, que se apresenta como candidata à reeleição na Câmara Alta, receberia votos de 4,9% dos eleitores. Considerando a margem de erro, João Henrique (1,7%), Marcos Mendes (0,7%) e João Gualberto (0,5%) estariam empatados tecnicamente. Nesse cenário, 15% disseram ainda não saber em quem votar e 22,7% afirmaram não votar em nenhum dos nomes citados.

O segundo cenário excluiu o nome de Lídice da Mata e de João Henrique e manteve os outros quatro políticos, Rui Costa, José Ronaldo, Marcos Mendes e João Gualberto. Com esses postulantes, Rui Costa aparece com 51% das intenções de voto, enquanto José Ronaldo é opção para 6,8%. Marcos Mendes e João Gualberto empatam numericamente, sendo citados por 0,8% dos pesquisados. Não souberam em quem votar 15,8% e 24,8% disseram que não votariam em nenhum dos candidatos citados.

Por último, a pesquisa P&A/ Bahia Notícias testou ainda um embate direto entre Rui Costa e José Ronaldo, o equivalente a um segundo turno entre os dois candidatos com melhor pontuação nas pesquisas. Nesse caso, o petista seria opção para 50,8% e o democrata receberia votos de 7,1% dos eleitores. O número de pessoas que afirmaram não votar em nenhum dos dois foi o maior dos cenários estimulados: 26%. Já 16,2% não souberam responder.

O levantamento ouviu 1.120 eleitores entre os dias 24 e 30 de abril e está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob nº BA-04607/2018. Possui margem de erro de 3% para mais ou para menos e intervalo de confiança de 95,5%.

Comentários

Bolsonaro em Salvador atrai caravanas de todo Estado

A expectativa é grande. Centenas de caravanas estão saindo do interior da Bahia e de estados vizinhos para recepcionar o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), em sua primeira visita à capital baiana nesta quinta-feira (24).
O presidenciável chega no aeroporto de Salvador no final da manhã, depois vai cumprir uma corrida agenda organizada pelo seu partido, encerrando a visita com uma palestra no auditório do Hotel Stella Maris para mil convidados.
O tradicional discurso em um trio elétrico, logo depois do desembarque, como sempre acontece nas cidades que tem visitado, foi cancelado, para evitar tumultos e atrapalhar o funcionamento do aeroporto, segundo o presidente municipal do PSL, Antônio Olívio.

Comentários

Ir ao topo da página