É preciso um tsunami ético

Entra ano, sai ano e os escândalos de corrupção envolvendo políticos não saem dos noticiários. É como uma novela, a diferença é que nesse elenco não existe mocinhos, apenas bandidos.

Nem mesmo o combate firme da Polícia Federal intimida os saqueadores, e a sensação que fica é que perdemos a capacidade de confiar nos políticos e nas instituições.

É sempre bom ressaltar que o dinheiro DESVIADO nos municípios, nos estados e na União tem como consequência direta A MORTE DE CIDADÃOS INOCENTES, o aumento da desigualdade, da violência urbana, da MISÉRIA, da má qualidade na prestação dos serviços públicos, e sem falar que, se não fosse a corrupção, já teríamos alcançado o estágio de nação desenvolvida.

Quem ROUBA DINHEIRO PÚBLICO está assaltando o sonho, a esperança das pessoas, desviando seus futuros e destinos.

E diante dessa crise sem precedente, da omissão de grande parte da sociedade, assistimos o surgimento de alguns grupos, pequenos em termos numéricos, mas grandes na vontade de lutar, decididos a não ficarem esperando eternamente no berço esplêndido da acomodação.

Essas pessoas querem uma nova política. Seus poderes bélicos são os novos programas de computadores para coletar dados de governos e parlamentares, e usam as redes sociais para disseminar informações.

Mas só isso não basta.

É preciso que pessoas idôneas e qualificadas se conscientizem da necessidade de participarem dos processos eleitorais como candidatas. Aliás, é preciso ter o discernimento de que eleger alguém despreparado, entregar-lhe bilhões e o destino de um povo, é ser cúmplice e não vítima.

E para conectar a sociedade a uma gestão justa, solidária e menos desigual será necessário criar uma ruptura no status quo, eliminar políticos ficha suja e os abutres que os cercam e que também se servem dos conchavos feitos nos porões do submundo da política.

Portanto, é preciso um TSUNAMI ÉTICO para varrer a sujeira que está em todos os lugares. E isso só será possível com AÇÃO E MUDANÇA DE ATITUDE daqueles que não compactuam com a corrupção e se coloquem como a resistência e a última trincheira contra o império da corrupção.

João Ribeiro é publicitário formado na UNICESP/DF.

Comentários

Ir ao topo da página