Aqui a Bahia é mais Brasil e o mundo chegou pra ficar

Teixeira de Freitas, uma cidade feita de gente de todos os lugares, de todos os jeitos. Completou em 09 de maio 32 anos de emancipação política. E tem uma história muito mais antiga, num palco pra lá de privilegiado.

Cercada pelas montanhas de Minas e do Espírito Santo, é o Portal da Costa das Baleias, onde fica o arquipélago de Abrolhos, a Praia do Cahy – historicamente reconhecida como o primeiro local de desembarque dos portugueses da caravana de Cabral – e outras praias igualmente bonitas.

No início, era a floresta atlântica. Os primeiros moradores tinham que navegar pelas águas do Rio Itanhém, que também servia de rota para comerciantes. Na década de 40, a Fazenda Cascata de Quincas Neto, era ponto central. Ostentava a farinheira e vendia produtos industrializados. Não demorou e a riqueza das suas matas chamou a atenção dos madeireiros.

Em 1957, foi dado o nome definitivo pelo prefeito de Alcobaça Manoel Euclides Medeiros, homenageando o pai da estatística do Brasil. Na década de 70, houve grande expansão do comércio, dos industriais da madeira e da agropecuária. Em 1985, a emancipação!

Desde sempre acolhedora, miscigenada e plural. Teixeira de Freitas cresceu e os indícios estão por todos os lados, seja nas universidades públicas, do Estado (UNEB) e Federal (UFSB), seja no funcionamento comercial do Aeroporto 9 de Maio.

Com 160 mil teixeirenses, nascidos nos mais diversos lugares do mundo, inclusive em Teixeira de Freitas, é a décima cidade do Estado, é o centro de um macro território composto por 13 municípios do Extremo Sul da Bahia, 10 do Extremo Norte Capixaba e 12 do Nordeste Mineiro.

Teixeira de Freitas, a capital do território do Extremo Sul baiano, com 21 municípios e quase 1 milhão de habitantes. Essa centralidade mantém sua diversidade crescente e ainda impulsiona sua estrutura produtiva. Sem dúvida e, obedecendo sua própria tendência, é um lugar em constante desenvolvimento.

Comentários

Ir ao topo da página