Mbappé, o super herói da periferia de Paris

O astro francês nasceu em Bondy, coração da periferia de Paris marcado pela precariedade e a exclusão, onde o futebol é visto como um meio de ascensão social
Do outro lado se abre outro mundo: a banlieue, ou a periferia. Desconhecido e mitificado. A banlieue é o lugar em que a França projeta seus fantasmas, suas frustrações. Palco de distúrbios ou viveiro de islamistas. Muro invisível no qual a ascensão social se choca. Também, às vezes, o território de onde a República espera que chegue a salvação, o herói que irá debelar suas ansiedades, que acalmará o terror da fratura da nação.

A Copa é uma destas ocasiões. Kylian Mbappé —produto perfeito da banlieue de Paris; filho da periferia mais dura e a mais pura; revelação na Rússia— encarna o renovado sonho dessa França diversa e coesa. Mbappé nasceu em 1998, em Bondy, uma cidade de 52.000 habitantes a 12 quilômetros do centro de Paris. Seu pai era de origem camaronesa; sua mãe, argelina. Ambos esportistas. Se existisse uma capital da banlieue, Bondy aspiraria ao posto. A banlieue castigada pela precariedade —na moradia e na educação— e pela discriminação. E pela falta de oportunidades. A banlieue, também, das casas ajeitadinhas com jardim, os cafés hipsters e livrarias independentes, um espaço de convivência e respeito aparente e de trabalho duro que desmente os retratos apocalípticos de um território sem lei. Tudo é mais complexo.
“Quando os bairros populares são vistos sob o prisma dos acontecimentos e da violência, do islamismo e do terrorismo, ou sob o prisma do heroísmo, é uma visão caricatural e perigosa porque não remete à realidade que as pessoas vivem”, diz Nassira El Moaddem, diretora do Bondy Blog, mídia de referência na cobertura das banlieus, com sede em Bondy.
El Moaddem cita um relatório recente apresentado na Assembleia Nacional sobre o “fracasso do Estado” em Seine-Saint-Denis. O relatório constata que este é o departamento com os habitantes mais pobres da França (com exceção dos territórios de ultramar) e com a criminalidade mais elevada. “Em Seine-Saint-Denis”, resume Le Monde, “há menos de tudo: menos policiais, menos professores, menos funcionários do Judiciário, menos magistrados, menos médicos escolares…”
De algo “há mais” em Seine-Saint-Denis, e na banlieue em geral: mais jogadores. As instalações da AS Bondy, onde Mbappé se formou, são um autêntico canteiro do futebol francês. Em seu gabinete no pavilhão do clube, o diretor esportivo, Jean-François Suñer, contabiliza 16 profissionais na ativa, entre os quais Sebastian Corchia, que joga no Sevilla, e, claro, Killian Mbappé. Boa parte da seleção francesa —Pogba, Matuidi, N’Golo Kanté— é composta de filhos da periferia de Paris.
Suñer, filho de uma valenciana e um catalão que chegaram depois da guerra, conhece Mbappé desde que nasceu. Quando tinha 5 anos, se deu conta de que era especial. Quando exatamente? “Quando o vi com a bola nos pés. É um talento natural.”
A filosofia de Suñer e do AS Bondy é simples: Dizemos às crianças e aos pais: primeiro tem de trabalhar na escola. Se depois vemos que pode ser um profissional, ajudaremos. Antes de formar jogadores, formamos homens”, acrescenta. E recorda o caso recente de dois meninos de 10 e 11 anos que, por mau comportamento na escola, foram excluídos do jogo do sábado.
“Muitos querem que seus filhos tenham sucesso para sair da banlieue”, diz Suñer. “Nós não vamos nos enganar.”
Em cidades como Bondy, e ainda mais com fenômenos como Mbappé, o futebol corre o risco de ser a única esperança de muitos pais para prosperar, de encontrar aí —e não na escola republicana— a ascensão social em que empacam na vida civil: os currículos sem respostas, a discriminação silenciosa.
“Antes de Mbappé, o fato de vir de Bondy podia ser motivo de discriminação na busca de trabalho. Hoje acontece o contrário: pode ser positivo”, diz Mahmoud Bourassi, que na semana passada voltou da Rússia depois de torcer pela França com um grupo de jovens da cidade. Mas Bourassi alerta contra o perigo de confiar excessivamente no futebol para consertar a França.
Os distúrbios na noite anterior em Nantes, depois que a polícia matou um jovem em um controle policial, são um lembrete. Como são as esperanças que a vitória da França de Zidane —outro filho dos bairros multiculturais— despertou em 1998. Quatro anos depois, a Frente Nacional, partido contrário à imigração, chegava ao segundo turno das eleições presidenciais.
“É preciso manter a cabeça fria”, diz Bourassi: “Como faz Mbappé quando comparam-no com Pelé.”
*Conteúdo: Marc Bassets (El País), texto – foto Reau Alexis (L’Equipe)

Comentários

Ir ao topo da página