Bolsonaro garante que está com uma "mão na faixa"

O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta quarta-feira (17) que “está com uma mão na faixa [presidencial]” e que o adversário no segundo turno, Fernando Haddad (PT), “não vai tirar [uma diferença de] 18 milhões de votos até daqui dois domingos”.
A declaração foi dada após visita à sede da Polícia Federal, na zona portuária do Rio. Ao ser questionado sobre a presença em debates, Bolsonaro disse que vai depender da liberação dos médicos, mas admitiu que sua ida ou não faz parte de sua estratégia de campanha.
“Agora eu vou debater com um poste, um pau mandado do Lula? Tenha santa paciência”, declarou Bolsonaro. “Tudo na política é estratégia. O Lula não compareceu a debate. O último da Rede Globo, não sei se foi em 2006 ou 2010. Entra tudo no meio, eu decido em equipe.”
Em seguida, ele destacou a vantagem que as pesquisas têm apontado a seu favor.
A diferença de votos citada por Bolsonaro tem como base pesquisas de intenção de voto que, no primeiro turno, foram frequentemente desacreditadas pelo candidato. Segundo o último Ibope, de segunda-feira, Bolsonaro tem 59% dos votos válidos, contra 41% de Haddad.
Antes de falar que estava com uma mão na faixa, ele disse que não estava preocupado com isso e que não tem obsessão pelo poder. “Quero ajudar o Brasil a sair dessa situação”, comentou.
Bolsonaro ainda endossou o coro entoado por alguns segmentos de centro-esquerda de que o PT não fez um “mea culpa” durante o processo eleitoral e, como exemplo, citou as declarações recentes do pedetista Cid Gomes, eleito senador pelo Ceará e irmão de Ciro Gomes (PDT), terceiro colocado na corrida presidencial no primeiro turno.
“Façam o mea culpa pelo menos como o Cid Gomes. Mas não admitem, acham que o Lula é um preso político.”
Bolsonaro pede voto; lei proíbe

Bolsonaro disse que foi à PF para agradecer à corporação pela segurança que agentes fazem, garantida por lei. “Não é porque está na lei que eu não devo reconhecimento a eles”, declarou.
Na entrevista a jornalistas, ele relembrou o ataque a faca sofrido em em Juiz de Fora (MG). “Eu perdi dois litros de sangue, cortou o intestino grosso, fezes se espalharam por todo o organismo. Fui submetido a uma segunda cirurgia no dia 12, que começou às 9h da noite e terminou às 5h da manhã. Não foi uma brincadeira.” Segundo o hospital, no entanto, a duração da cirurgia de emergência foi quatro vezes menor, de duas horas.
O discurso, no entanto, é bem diferente de entrevistas suas concedidas quando ainda estava internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Na ocasião, o pesselista declarou que havia uma tentativa de “abafar o caso” por parte da PF.
“Confio neles [na Polícia Federal]. Eles vão chegar a uma solução no final do inquérito. Não estou aqui fazendo papel de vítima. Eu não levei um cascudo na rua, foi uma facada. (…) Tenho muita vontade de viver, estou com ainda mais vontade de disputar a eleição”, afirmou nesta quarta-feira.
A visita de Bolsonaro alterou a rotina na sede da Polícia Federal. Advogados foram impedidos de entrar no prédio enquanto o candidato esteve no local. *Conteúdo Estadão/Fábio Motta

Comentários

Ir ao topo da página