FHC: segundo turno será disputado por Alckmin e Haddad, mas Bolsonaro não pode ser descartado

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) disse em entrevista ao jornal O Globo desta segunda-feira (20) que Jair Bolsonaro (PSL) “assusta” com suas “soluções simplistas e autoritárias” e que Fernando Haddad (PT) é “visto como marionete do Lula”.
“Não creio que ele [Bolsonaro] tenha a experiência e a visão democrática de aceitar o outro com facilidade. O pior, para mim, é que ele tem soluções simplistas e autoritárias. Eu não acredito nisso. Acredito que as coisas são complicadas e que você precisa convencer. Num país diverso como o nosso, como é que você governa sem capacidade de juntar?”, disse FHC ao O Globo.
Caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha sua candidatura barrada, Haddad deve assumir a chapa com Manuela D’Ávila como vice. Embora mantenha “boa relação pessoal” com Haddad, FHC avalia que ele está sendo visto como “marionete do Lula”. “Um presidente tem que ter força própria para governar”, afirma.
Sobre o segundo turno, o ex-presidente acredita que será disputado por Haddad e Geraldo Alckmin (PSDB), mas reconhece a possibilidade de eventual segundo turno entre o tucano e Bolsonaro.
FHC também disse que gosta de Marina Silva, mas que falta um pouco de “malignidade” à presidenciável. Em resposta, Marina publicou em suas redes sociais que o acordo do PSDB com o centrão tem “excesso de malignidade”.
“Com todo respeito e admiração que tenho por FH, o que trouxe o país à crise atual não foram as boas intenções, mas sim o excesso de malignidade — aliás, muito presente na coligação do candidato tucano”. (Com agências, InfoMoney e o Globo)

Comentários

Ir ao topo da página