Na primeira rodada teve hat-trick, goleada, goleiros se destacando, cartão vermelho e pênaltis perdidos

Na última quinta-feira (14/06), foi dada a largada para o maior evento de futebol do mundo, a Copa do Mundo. A primeira rodada acabou e foram 16 jogos, ou seja, aproximadamente 24 horas de futebol, pelo menos 4h30 de futebol por dia. Com nenhum placar terminado em 0 x 0, o total é de 38 gols, média de 2,3 por partida. A última vez que isso aconteceu foi na edição de 2002, sediada na Coreia do Sul e no Japão. Relembre como foi a rodada de estreia das seleções no Mundial de 2018.
Goleada na abertura
A Rússia, anfitriã da competição, estreou contra a Arábia Saudita, que não viu a cor da bola em campo. Os russos aplicaram uma goleada massacrante de 5 x 0, placar que ficou para a história da competição como uma das maiores goleadas em um jogo de abertura da Copa do Mundo. Repetiu o placar da partida entre Brasil x México, em 1954, na Suíça. O mais elástico foi o entre Itália e Estados Unidos, em 1934, no qual os italianos fizeram 7 x 1. No entanto, esta partida não foi considerada de abertura, pois outras sete estavam acontecendo ao mesmo tempo. Veja os gols dos russos na estreia:

Três vezes CR7
O melhor jogo da rodada foi, com certeza, entre Portugal x Espanha. Além das inúmeras estrelas em campo, como Sergio Ramos, Iniesta e Cristiano Ronaldo, foi a partida mais movimentada. O placar final ficou 3 x 3. Do lado da Espanha dois jogadores marcaram os três gols: Diego Costa anotou dois e Nacho acertou um belo chute, que fez a bola tocar nas duas traves laterais antes de entrar no gol.

Do lado português apenas um homem marcou os três gols. Se o leitor pensou que só um nome é possível, afinal, ele é o atual melhor do mundo, está certo. Cristiano Ronaldo, atacante do Real Madrid, fez um hat-trick no jogo de estreia da sua seleção na Copa 2018. O primeiro saiu da cobrança de pênalti, que abriu o placar.

Depois, a Espanha virou para 3 x 1. Ronaldo fez 3 x 2, numa jogada normal, mas teve uma pequena ajuda do goleiro De Gea que poderia ter defendido a bola, e o empate veio numa cobrança de falta perfeitamente destinada para o ângulo esquerdo do goleiro, que desta vez não teve chance alguma.
Goleiros protagonistas
Já que comentamos sobre a falta de sorte do goleiro da Espanha, que foi infeliz no lance do segundo gol de Cristiano Ronaldo, vamos ressaltar a qualidade dos demais goleiros da Copa nesta primeira rodada.

O primeiro a chamar atenção foi o goleiro do Egito, Mohamed Elshenawy, que conseguiu segurar os ataques uruguaios até o último minuto do jogo, quando Giménez acertou uma cabeçada no canto esquerdo dele. Outro que impressionou foi o islandês, Halldorsson. Ele fez algo que poucos goleiros já fizeram: defendeu um pênalti batido por Lionel Messi.

Ochoa é um nome já conhecido pelos brasileiros. Na Copa de 2014, o Brasil enfrentou o México na fase de grupos e não conseguiu passar pelo goleiro mexicano. Em 2018, o mesmo aconteceu com os alemães. O time europeu não fez gol contra a seleção norte-americana. Ochoa fechou o gol na primeira partida do grupo F. O jogo marcou também a derrota da Alemanha, atual campeã na estreia da Copa 2018. Lozano marcou o gol da vitória mexicana, que foi muito celebrada pelos jogadores emocionados.

No encontro entre Tunísia e Inglaterra, o goleiro titular Hassen estava fazendo uma ótima atuação, fazendo belas defesas, mas precisou ser substituído aos 15 minutos do primeiro tempo, após machucar o ombro esquerdo. Para o lugar dele, entrou Ben Mustapha, que conseguiu segurar o ataque inglês algumas vezes, mas não evitou o segundo gol de Harry Kane no fim do jogo.
Pênaltis perdidos
A volta da seleção peruana à Copa do Mundo após 36 anos podia ter tido um final mais feliz se Cueva, jogador do São Paulo, tivesse convertido o pênalti marcado a favor do Peru no final do primeiro tempo, com auxílio do VAR (video assistant referee, o árbitro de vídeo). O atacante isolou a bola por cima do gol e saiu inconsolável para o vestiário no intervalo. A partida terminou em derrota por 1 x 0 para a Dinamarca.

Mas não foi só ele quem perdeu a chance de ampliar o placar para a sua seleção. Lionel Messi também teve a oportunidade de marcar seu primeiro gol no Mundial da Rússia na penalidade marcada a favor dos argentinos contra a Islândia, mas o goleiro islandês pulou no canto certo e defendeu a cobrança do jogador eleito cinco vezes o melhor do mundo.

Estreias na competição
As seleções da Islândia e do Panamá fizeram a primeira partida da história do país em Copas do Mundo. A seleção do menor país a disputar um Mundial, estreou bem diante da vice-campeã de 2014. O empate por 1 x 1 contra a Argentina foi comemorado como vitória pelos vikings, que marcaram presença nas arquibancadas com suas palmas e gritos de apoio ao time.

O Panamá, por outro lado, não pôde fazer muito diante da Bélgica. A geração belga que promete fazer história nesta Copa do Mundo fez 3 x 0 em cima da seleção estreante, mas os panamenhos se emocionaram durante o hino antes do início do jogo e agradeceram, ajoelhados, por estarem participando da competição pela primeira vez.
Gol contra
No duelo entre Marrocos e Irã, no que estava caminhando para ser o primeiro jogo da rodada que terminaria sem gols, o atacante marroquino, Bouhaddouz, marcou um gol contra nos acréscimos do segundo tempo. Ele é um dos seis jogadores da seleção do Marrocos que nasceu no país e atua no FC St. Pauli da Alemanha. Saiu do ataque para ajudar os companheiros na defesa e acabou marcando contra sua própria meta.

Thiago Cionek, brasileiro naturalizado polonês, abriu o placar no confronto entre Polônia x Senegal, com gol contra para a seleção africana, marcando o segundo gol contra da Copa e o primeiro de um jogador brasileiro. No Mundial de 2014, o primeiro foi o lateral da Seleção, Marcelo, que também foi o primeiro gol da competição, quando o Brasil estreou contra a Croácia.

Tecnologias em ação
O VAR (árbitro de vídeo) foi utilizado três vezes na primeira rodada para a confirmação de penalidade máxima. A primeira solicitação foi no jogo entre França x Austrália a favor dos franceses, que abriram o placar com Griezmann.

Os australianos foram atrás do empate, também em uma cobrança de pênalti, mas que desta vez não teve o auxílio do VAR para a marcação. Mas a virada francesa veio no chute de Pogba, que resultou em discussão, pois a bola quicou dentro do gol e saiu. O placar terminou em 2 x 1 para os franceses, pois o gol foi validado por um sinal que é enviado para o relógio do árbitro no momento em que a bola cruza a linha do gol completamente.

O terceiro pênalti marcado com o uso do árbitro de vídeo foi o que deu a vitória a Suécia contra a Coreia do Sul, 1 x 0. Outra ocasião em que o VAR foi solicitado, aconteceu em uma falta não marcada pelo árbitro, mas que, ao analisar as imagens de vídeo, decidiu punir o jogador da Sérvia, na partida entre a seleção e a Costa Rica, com o cartão amarelo.
Brasil empata na estreia
Desde 1982, na Copa da Espanha, a Seleção Brasileira só ganhava em estreias na competição. O último empate havia sido contra a Suécia, em 1978, na Argentina, pelo mesmo placar que terminou o jogo contra a Suíça, 1 x 1. Na atual edição, o camisa 11, Coutinho, fez o gol brasileiro. O empate veio na cabeçada de Zuber.
Vermelho relâmpago
No sexto dia de competição, no jogo de estreia do grupo H entre Colômbia e Japão, aos três minutos do primeiro tempo o colombiano Carlos Sánchez recebeu o primeiro cartão vermelho da Copa do Mundo 2018. Em chance clara de gol da seleção japonesa, o meia impediu que a bola fosse ao gol colocando a mão na frente. O árbitro marcou pênalti e o craque oriental, Kagawa, converteu a cobrança, abrindo o placar do jogo.
Classificação dos grupos
No grupo A, a anfitriã lidera pelo amplo saldo de gols (cinco) e o Uruguai está atrás com o mesmo número de pontos (três). Egito e Arábia Saudita não somaram pontos na rodada. No grupo B, o Irã ocupa a primeira posição seguido por Espanha e Portugal, com um ponto, e Marrocos em último.

No grupo C, a seleção francesa lidera pelo saldo de gols (dois), mas a Dinamarca está logo atrás, também com três pontos. Atrás estão a Austrália e o Peru ainda com zero. A Croácia é líder do grupo D como a única a conquistar três pontos, seguida por Argentina e Islândia, com um, e a lanterna Nigéria, com nenhum.

No grupo do Brasil, que está em segundo, mas com a mesma pontuação que a Suíça (um), a líder é a Sérvia, que venceu da Costa Rica, última no grupo. No grupo que cruza com o da Seleção nas oitavas de final, a Suécia está em primeiro, mas com números iguais a seleção mexicana (em saldo de gols e pontos conquistados), e atrás delas está a Alemanha e a Coreia do Sul ainda sem pontuar.

No grupo G, a Bélgica lidera com saldo de gols maior que a Inglaterra, mas ambas têm três pontos. Tunísia e Panamá estão na parte de baixo da tabela do grupo com nenhum ponto. No H, na liderança está Senegal, que venceu a Polônia por 2 x 1, mas mesma pontuação que a seleção do Japão (três), que saiu vitoriosa contra a Colômbia, também por 2 x 1. As seleções de James Rodríguez e Lewandowski estão empatadas com a pontuação zerada. (Conteúdo Correio Braziliense – texto Amanda Gil)

Comentários

Ir ao topo da página